48coisasquehomensescutamaolongodavida(quesãoruinsparatodomundo)(VÍDEO).jpg1

 

Recentemente, nós publicamos um vídeo com o título 48 Coisas que Mulheres Escutam ao Longo da Vida (e Homens Não), para mostrar como o sexismo pode começar sutil e precocemente na vida e então nunca, nunca morrer.

 

Menininhas escutam que não devem ser mandonas; dizem para adolescentes e jovens mulheres que as decisões que elas tomam a respeito de suas vidas sexuais serão criticadas, independente de quais forem; mães lidam com expectativas frustrantes com as quais pais não lidam. E, desde cedo, mulheres são lembradas de que nossa aparência é de máxima importância.

 

Muitas pessoas responderam nos comentários: “homens ouvem essas coisas também!”. Nós sabemos que sim.

 

O sexismo não existe em um vácuo. Nossa sociedade tem um ponto de vista perigosamente estreito sobre a masculinidade, que limita o que um homem pode “ser”.

 

Mas se você considerar mensagens que homens ouvem — “seja homem!”, “meninos não choram!”, “não seja covarde!” –, verá que quase todas elas podem ser traduzidas como “não seja uma mulher”.

 

Porque mulheres sempre são vistas como o “sexo frágil”; ser “feminina” é ser menor.

 

Então quando nós dizemos para eles que eles não são “homens de verdade”, ao menos que sejam durões, financeiramente bem sucedidos (especificamente mais que suas parceiras mulheres), fortes, autoritários… Sim, estamos machucando homens que não se encaixam nesses parâmetros. Mas também estamos machucando mulheres.

 

A mesma atitude nos mostra que a cultura ensinada aos meninos quando crianças e jovens serve para lhes dizer que são donos do corpo e das decisões da mulher. Frases como “que saúde!” e “pega e larga” já fazem parte de nosso cotidiano. Torna-se “masculino” tratar mulheres como objetos e se torna “engraçado” chamar mulheres de “vadias”.

 

Se menininhos são ensinados a ver, tradicionalmente, as qualidades “femininas” como “ruins”, o ciclo do sexismo nunca termina.

 

Como escreveu Gloria Steinem, jornalista e ícone feminista, “estou feliz por termos começado a criar nossas filhas mais como nossos filhos — mas isso nunca vai funcionar até que criemos nossos filhos mais como nossas filhas”.

 

Assista ao vídeo acima para conhecer o que é ensinado aos homens ao longo de suas vidas e que é ruim para todo mundo.

 

 

 


Obs: As informações acima são de total responsabilidade da Fonte declarada. Não foram produzidas pelo Instituto Pinheiro, e estão publicadas apenas para o conhecimento do público. Não nos responsabilizamos pelo mau uso das informações aqui contidas.